Banco de Dados

A disciplina de Banco de Dados trata em como organizar informações em base de dados informatizadas. Basicamente, todo sistema de informação possui um banco de dados que é responsável por armazenar as informações do domínio da aplicação para posteriormente ser usado, de forma bruta, ou mais usualmente, transformada em informação útil ao usuário final. Lecionei a disciplina para o curso Técnico em Informática Industrial e para o curso Técnico em Informática nos anos de 2013 e 2014 no CEFET/RJ Campus Nova Friburgo. Para o Técnico em Automação Industrial, lecionei entre os anos de 2014 e 2017 no CEFET/RJ Campus Maria da Graça.

Sobre a bibliografia recomendada, sugiro os seguintes livros como material de referência e de apoio. Costumo utilizá-los na ordem que eles aparecem. Alguns indico para sala de aula e outros podem ter uma linguagem mais apropriada para concursos públicos, então é possível encontrar no meu canal do YouTube, vídeos com as avaliações (em produção) de cada livro e abaixo tem os links que direcionam para a compra on-line, caso seja interessante para vocês:

 

Na disciplina de Banco de Dados é visto todo o projeto de banco de dados relacional, que engloba a modelagem e o projeto conceitual do banco de dados; o modelo lógico; e o modelo físico do banco de dados. No modelo conceitual são trabalhadas as linguagens e diagramas para modelagem de banco de dados, ou seja, a criação de um modelo gráfico utilizando algum diagrama. Os mais conhecidos são o Modelo Entidade Relacionamento (MER) de Peter Chen, o Crow’s Foot ou Pata do Corvo e o IDEF1X. Nessa disciplina é utilizado o MER e a ferramenta Generic Database Modeling (GenDBM) Tool, que é um plugin para o Eclipse para criação de diagramas Entidade-Relacionamento (ER). Após a modelagem, o diagrama resultante é mapeado para o modelo lógico, onde as integridades e a normalização são aplicadas. Por fim, o modelo lógico é mapeado para o modelo físico, onde o dicionário de dados é criado e a linguagem para criação do banco de dados relacional é aplicada em algum Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD).

Na parte de criação do banco de dados em si, é ensinado o Structured Query Language (SQL). Inicialmente vemos a parte do SQL para Definição de Dados ou Data Definition Language (DDL) e em seguida o a linguagem de Manipulação de Dados ou o Data Manipulation Language (DML). Em alguns cursos, também vemos a lingaugem para Restrição de Dados ou Data Constraint Language (DCL). Para todos esses casos, sempre é utilizado um SGBD dentre os quais destaco o MySQL com apoio do MySQL Workbench, o Firebird, o Microsoft SQL Server e o IBM DB2.

Material de Apoio:

0Shares