O Crowdfunding Científico – O Estudo de Caso San Francisco

Ser cientista no Brasil é uma situação bem complicada. Ainda mais em tempos de crise financeira onde as universidades públicas recebem menos verbas e os órgãos e fundações de apoio à pesquisa também não possuem recursos para quase nada. Se você estiver começando na área acadêmica, então é pior ainda. Mesmo que tenha recursos, raramente ele é liberado para estudantes em início de carreira, mesmo que o evento seja reconhecidamente renomado (classificado na tabela Qualis). Sem apoio das instituições públicas, o que nos resta fazer? Pedir aos outros.

Não foi uma, nem duas, nem três vezes que precisamos pedir auxílios a pessoas e empresas, quando não juntávamos dinheiro do nosso próprio bolso para podermos participar dos eventos. Quando era possível, fazia o trajeto de carro para levar os alunos, então já dirigi do Rio de Janeiro para São Francisco do Sul, Balneário Camboriú, Curitiba, Ponta Grossa, São Paulo, Uberlândia e Belo Horizonte. Isso pensando em um raio de até 1500 Km, acima disso, fica muito cansativo dirigir.

Os custos para apresentação de trabalhos fora do estado é alto. Para se ter uma ideia, uma passagem de ida e volta para um evento que aconteça em Fortaleza/CE, não sai por menos de R$800 se comprada entre 1 e 2 meses de antecedência na baixa temporada. Se adicionarmos mais a estadia de umas 3 diárias, alimentação e a inscrição do evento, vamos ter uma conta de mais ou menos R$ 1.200 por pessoa. Agora, imagina então os custos para apresentação de trabalhos fora do país.  Uma vez tivemos um trabalho aceito para ser apresentado em Angers, na França e não conseguimos arrecadar dinheiro para enviar um aluno, então um outro professor e eu dividimos o custo da inscrição (de 695€) e eu paguei o transporte de Paris-Angers-Paris para um bolsista de Iniciação Científica que estava no intercâmbio na Europa na mesma época do evento.

Depois de algum tempo desde este trabalho na França, tivemos um trabalho do Projeto Turing aceito em um renomado evento (Software Engineering e Knowledge Engineering – SEKE) para ser apresentado em San Francisco nos EUA. A nossa realidade é a seguinte (por pessoa e sem contar o IOF):

  • entre R$3.000 e R$3.500 de passagem
  • R$257,75 de passaporte
  • R$560 de visto americano
  • 109USD por dia de hospedagem (por 3 dias)
  • 515USD de inscrição no evento (R$1.945,73)

Independente das nossas frustrações internacionais passadas, nunca vamos desistir de tentar e acreditar na boa vontade das pessoas. Então dessa vez, aderimos ao crowdfunding e criamos a famigerada vaquinha on-line pedindo um auxílio de R$5.000. Os meninos divulgaram ativamente nossa campanha e nos 15 primeiros dias ultrapassamos os 50% com exatos R$2.580,00. Próximo da data final estipulada, alcançamos 95% do objetivo (Figura 1), o que permitiu enviar um deles para apresentar o trabalho. Infelizmente, como não tínhamos todo o dinheiro em mãos, nem eles tinham a documentação, tivemos que definir algumas coisas: 1) como o passaporte do Vinicius saiu primeiro e consequentemente o visto, decidimos comprar a passagem no nome dele para garantir que o preço não disparasse, enquanto o Fabian tentava tirar o seu documento (apesar de terem pago praticamente na mesma semana, a diferença de disponibilidade de datas para a entrevista foi quase de um mês entre eles). De fato o Vinicius deu sorte, pagou e conseguiu um agendamento em Nova Iguaçu em uma semana; 2) O período de provas finais da faculdade batem no mesmo período da apresentação do trabalho e a faculdade não permite segunda chamada dessas provas (exceto em casos previstos no manual do aluno). Desse jeito, teria que depender da boa vontade dos professores aplicarem provas em datas posteriores, bem próximo ao recesso, e; 3) dado que o Fabian está com prazos importantes em seu trabalho, nos convencemos, uns 10 dias antes do prazo limite, de que já era uma vitória a ida do Vinicius. De certa forma, precisaríamos de um patrocínio bem maior para que os dois tivessem condições de apresentarem. Infelizmente, essa é nossa realidade.

Figura 1. O status da Vakinha no dia 21/06/2018.

Então, para deixar as coisas bem transparente, resolvemos fazer a prestação de contas das doações recebidas e de como esse dinheiro foi utilizado. Primeiramente, as doações da Vakinha totalizaram R$4.765,00 mas com as taxas e porcentagens da plataforma, restaram R$4.430,04. As doações em dinheiro recebido em mãos pelos meninos totalizaram R$1.010 e uma rifa realizada por amigos para ajudá-los reuniu R$170. Somente com as doações foram arrecadados R$5.610,04. Agora vamos às despesas (muitas despesas): somente a inscrição no evento para uma pessoa custou R$1.945,73 (ou 515USD convertidos na data da transação), a passagem para San Francisco partindo do Rio de Janeiro custou R$3.546,00 (a mais barata que eles conseguiram) e a hospedagem custou R$1.854,46 para apenas uma pessoa. Como foi programado para os dois irem (Vinicius e Fabian), a documentação foi tirada para os dois (2 passaportes e 2 vistos) o que totalizou R$1.698,50. Somando as despesas, o valor para apresentar um trabalho acadêmico nos Estados Unidos é de R$7.346,19. Se contabilizarmos a documentação o custo total saiu a R$9.379,65. Como com o que foi arrecadado ainda não era suficiente para enviarmos uma pessoa para apresentar o trabalho, então, como doação, eu realizei o pagamento da inscrição no evento de uma pessoa e a hospedagem. A Figura 2 mostra os detalhes do que foi gasto e arrecadado.

Figura 2. Prestação de contas para a apresentação do trabalho em San Francisco/EUA.

Então, gostaria de usar esse post para agradecer a todas as pessoas que doaram para essa nossa campanha e especialmente às pessoas da Ouro Negro – Tecnologia em Equipamentos Industrias, que auxiliaram e apoiaram extensivamente a campanha para que nossos alunos pudessem dar esse passo na jornada acadêmica e profissional deles. Definitivamente precisamos de mais pessoas e empresas como vocês. Particularmente, gostaria de agradecer as pessoas que eu conheço e que ajudaram nessa campanha. Eu agradecerei todos vocês, pessoalmente, com uma lembrança singela de confiança e amizade por essa parceria. Em nome dos meninos e de todos nós do Projeto Turing (de hoje e do passado), muito obrigado.

Em tempo, durante o congresso, atingimos 103% da meta inicial. Portanto queremos estender nosso agradecimento aos integrantes do PET-Tele da UFF que fecharam com chave de ouro essa empreitada. Em breve atualizarei as planilhas e o post com os novo valores.


32Shares

Deixe uma resposta